Poema | Pedra Filosofal

Pedra Filosofal é um poema do poeta António Gedeão, publicado no livro Movimento Perpétuo, em 1956. Aproveitando a musicalidade do poema, Manuel Freire apresenta em 1970 o poema musicado, que, pelas suas características rapidamente se tornou num hino e numa bandeira da resistência contra a ditadura.

Poema | Viagem

Viagem

Aparelhei o barco da ilusão

E reforcei a fé no marinheiro.

Era longe o meu sonho, e traiçoeiro

O mar…

( Só nos é concedida

Esta vida

Que temos;

E é nela que é preciso

Procurar

O velho paraíso

Que perdemos).

Prestes, larguei a vela

E disse adeus ao cais, à paz tolhida.

Desmedida,

A revolta imensidão

Transforma dia a dia a embarcação

Numa errante e alada sepultura…

Mas corto as ondas sem desanimar.

Em qualquer aventura,

O que importa é partir, não é chegar.

Miguel Torga

Este poema representa o percurso de vida do Homem. Não importa o destino, apenas importa
partir, ir à aventura, ir à procura do “velho paraíso” perdido, do tempo em que era feliz. A vida
do homem é feita de esperança, de ilusão e de uma procura incessante. O Homem procura incessantemente essa ilusão e tem esperança de a alcançar.

Conto | De Umas Coisas Nascem Outras

Era uma vez coisas que se tornaram outras, quase sempre maiores do que o haviam – ou podiam ter – sonhado: “uma semente de trigo que um dia se descobriu pão”; “um pedaço de barro que um dia se descobriu cântaro”; “uma menina que um dia se descobriu mãe”.

Conto | A Menina Gotinha de Água

Livro publicado nos anos 60 A Menina Gotinha de Água foi repetidamente reeditado ao longo dos anos, contou nas várias edições com ilustrações diversas. Vemos o ciclo da água, no essencial que representa em toda a vida, partindo do mar para até ele novamente regressar, numa exaltação da natureza.

Ajuda o nosso site colocando gosto na nossa página de Facebook!