História e Geografia de Portugal 6º ano | Da Revolução Republicana de 1910 à Ditadura Militar de 1926

 

DA REVOLUÇÃO REPUBLICANA DE 1910 À DITADURA MILITAR DE 1926

 

 

 

A AÇÃO MILITAR NO 5 DE OUTUBRO E A QUEDA DA MONARQUIA

 

 

Formação do Partido Republicano

 

Descontentamento da população no fim do século XIX

A população, no fim do século XIX encontrava-se bastante descontente:

  • Os camponeses e os operários continuavam a viver com grandes dificuldades enquanto que a alta burguesia recebia cada vez mais lucros.
  • O rei e a família real eram acusados de gastar mal o dinheiro, o que contribuiu para o endividamento do reino.

 

Partido Republicano (1876)

Formou-se nesta altura o Partido Republicano que pretendia acabar com a Monarquia para passar a haver uma República, ou seja, deixaria de haver reis para haver presidentes eleitos por um determinado tempo.

Os republicanos acreditavam que desta forma conseguiria-se modernizar o país e melhorar as condições de vida dos mais pobres.

 

 

Disputa pelos territórios africanos

 

Conferência de Berlim (1884-1885)

Vários países europeus, como a Grã-Bretanha, a Alemanha e a França, entraram em conflitos por causa dos territórios africanos pois possuíam muitas riquezas.

Para resolver estes conflitos realizou-se a Conferência de Berlim onde ficou estabelecido que os territórios seriam partilhados de acordo com a sua ocupação efetiva, ou seja, de acordo com quem tivesse meios para os ocupar, sem interessar quem os descobriu.

 

Ultimato inglês

Portugal apresentou o Mapa Cor-de Rosa na tentativa de ocupar os territórios entre Angola a Moçambique.

Grã-Bretanha não aceitou porque queria os mesmos territórios para ligar Cabo a Cairo, e então fez um ultimato a Portugal para abandonar aqueles territórios.

O governo português cedeu ao ultimato, o que agravou o descontentamento da população. Muitas pessoas passaram a apoiar o Partido Republicano pois pretendiam um governo forte.

 

 

Revoltas republicanas

 

31 de Janeiro de 1891 – Revolta republicana

A cedência perante o Ultimato inglês foi considerado um ato de traição à pátria. Os republicanos aproveitaram ainda para acusar o rei de gastar mal o dinheiro e deixar o país cheio de dívidas, e culpou-o também pela miséria dos mais pobres.

Dia 31 de Janeiro de 1891 surgiu uma revolta na tentativa de acabar com a monarquia mas não foi bem sucedida. No entanto, mostrou o crescimento do Partido Republicano.

 

1 de Fevereiro de 1908 – Regícidio

O rei D. Carlos I foi morto a tiro quando passava de carruagem pelo Terreiro do Paço em Lisboa. Com ele morreu o herdeiro do trono D. Luis Filipe. Ficou a governar o seu irmão D. Manuel II. Foi mais um ato para tentar acabar com a monarquia.

 

5 de Outubro de 1910 – Queda da Monarquia e implantação da República

Na madrugada de 4 de Outubro de 1910 iniciou-se a revolução republicana. Os militares republicanos (membros do exército e da marinha) e os populares pegaram em armas e concentraram-se na Rotunda, atual praça Marquês de Pombal.

As tropas fiéis ao rei eram em maior número mas mesmo assim não conseguiram acabar com a revolta e na manhã de 5 de Outubro de 1910 foi proclamada a República, acabando assim com a Monarquia.

 

 

 

A I REPÚBLICA

 

 

Primeiras medidas republicanas

 

Formação de um Governo Provisório

Após a proclamação da República foi criado um Governo Provisório, presidido por Teófilo Braga, que tomou as seguintes medidas:

  • adotou-se uma nova bandeira;
  • o hino nacional passou a ser “A Portuguesa”;
  • a moeda passou a ser o escudo em vez do real.

 

Simbologia da nova bandeira:

  • Esfera armilar: representa o mundo que os navegadores portugueses decobriram;
  • Escudetes azuis: representam a bravura dos que lutaram pela independência;
  • Castelos: representam a independência garantida por D. Afonso Henriques;
  • Verde: cor da esperança;
  • Vermelho: cor da coragem e do sangue derramado pelos portugueses mortos em combate.

 

 

A Constituição republicana

 

Assembleia Constituinte

Depois de criado o Governo Provisório fizeram-se eleições para formar a Assembleia Constituinte que tinha como função elaborar a nova constituição – a Constituição de 1911.

Nesta constituição ficou estabelecido que:

  • o chefe de estado de Portugal passa a ser um Presidente da República em vez de um rei;
  • é eleito por um período de 4 anos;
  • tem o poder de escolher o governo;
  • o congresso tem o poder de eleger e demitir o Presidente da República.

 

Divisão de poderes

  • Poder legislativo: pertence ao Congresso ou Parlamento – deputados.
  • Poder executivo: pertence ao Presidente da República e o seu governo – presidente e ministros.
  • Poder judicial: pertence aos Tribunais – juízes

 

 

Principais medidas da I República

 

Na Educação

  • criação dos primeiros jardins-escola para crianças dos 4 aos 7 anos;
  • ensino obrigatório e gratuito dos 7 aos 10 anos;
  • criação de escolas primárias, de um liceu em Lisboa (liceu Passos de Manuel) e de universidades (de Lisboa e do Porto);
  • criação de escolas para formação de professores;
  • criação de bibliotecas.

O principal objetivo destas medidas era acabar com o analfabetismo.

 

No Trabalho

  • direito à greve;
  • direito a oito horas de trabalho e a um dia semanal de descanso;
  • criação de um seguro obrigatório para doença, velhice e acidentes de trabalho.

 

Sindicato: associação de trabalhadores de uma mesma profissão que defendia os direitos dos trabalhadores.

Greve: forma de luta mais utilizada pelos trabalhadores em que se recussavam a trabalhar para que o Governo e os patrões cedessem às suas reinvidicações.

CGT: Confederação Geral do Trabalho – união de vários sindicatos.

UON: União Operária Nacional

 

 

Dificuldades da I República

 

No entanto, a 1ª República atravessou vários problemas que fez crescer o descontentamento da população.

 

Participação de Portugal na I Guerra Mundial

A Inglaterra e a França entrou em guerra com a Alemanha por causa dos territórios africanos. Depois, vários outros países europeus entraram na guerra, bem como países de outros continentes, por isso diz-se que foi uma Guerra Mundial.

A Inglaterra pediu a Portugal que apreendesse os navios alemães refugiados nos portos portugueses. A Alemanha, em resposta, declarou guerra a Portugal e tentou ocupar os territórios portugueses em Angola e Moçambique.

A guerra terminou com a vitória dos ingleses, franceses e os seus aliados, e assim Portugal conseguiu manter as suas colónias. No entanto, as despesas militares durante a guerra contribuíram para um maior endividamento do reino.

 

Subida de preços e aumento de impostos

Os preços dos produtos aumentaram enquanto os salários não acompanharam essa subida.

As despesas do reino eram superiores às receitas. Os governos republicanos recorreram a empréstimos ao estrangeiro e para os pagar aumentaram-se os impostos.

Tudo isto fez com que se tornassem frequentes as greves, revoltas e assaltos a armazéns de comida.

 

Instabilidade política

Os governos mudavam frequentemente e os presidentes ou se demitiam ou eram demitidos. Só entre 1910 e 1926 houve 8 presidentes e 45 governos.

 

 

 

O GOLPE MILITAR EM 28 DE MAIO

 

 

Crise em Portugal durante a I República
  • Crise social:
    • subida dos preços
    • redução do poder de compra
    • greves e manifestações
    • atentados à bomba
  • Crise financeira:
    • despesas superiores às receitas
    • crescimento da dívida externa
  • Crise política:
    • mudanças sucessivas de governo – instabilidade política

 

 

Golpe militar de 28 de Maio de 1926

A 28 de Maio de 1926, o general Gomes da Costa chefiou uma revolta militar que teve início em Braga e estendeu-se até Lisboa. Por todo o país os militares foram aderindo a este movimento. O Presidente da República, Bernardino Machado, demitiu-se e entregou o poder aos revoltosos.

 

Principais medidas durante a Ditadura militar

Foram tomadas várias medidas que colocaram fim à democracia da I República:

  • o Parlamento foi encerrado;
  • o governo passou a ser escolhido pelos militares, sem eleições;
  • os militares possuíam o poder legislativo e executivo;
  • a imprensa passou a ser censurada;
  • as greves e as manifestações foram proibidas.

 

Portugal foi governado neste período segundo uma ditadura, ou seja, segundo um governo autoritário, não democrático, que não respeitava as liberdades e direitos dos cidadãos.

Apesar destas medidas a ditadura não veio resolver os problemas existentes em Portugal:

  • os militares não se entendiam e as mudanças sucessivas de governo continuaram;
  • as despesas continuavam superiores às despesas;
  • continuou o recurso aos empréstimos ao estrangeiro, aumentando a dívida externa.

 


 

Revê aqui a matéria/resumo de matemática/síntese de HGP:

 


 

EXERCÍCIOS

 

Teste   |   enunciado » correção

Nota: apenas o Grupo II se refere a este capítulo.

 


 

O que tens de saber neste capítulo, segundo o programa e metas curriculares de HGP – 6º ano:

 

DOMÍNIO: PORTUGAL DO SÉCULO XX

SUBDOMÍNIO: DA REVOLUÇÃO REPUBLICANA DE 1910 À DITADURA MILITAR DE 1926

 

  • Conhecer e compreender as razões da queda da monarquia constitucional
  1. Indicar os motivos do crescente descrédito da instituição monárquica.
  2. Relacionar os interesses das potências industriais europeias em África com a Conferência de Berlim e com o projeto português do Mapa Cor-de-Rosa.
  3. Relacionar o projeto do Mapa Cor-de-Rosa com o Ultimato Inglês.
  4. Relacionar a humilhação sentida pelo povo português face à cedência ao Ultimato Inglês com o aumento dos apoiantes da causa republicana.
  5. Referir o regicídio de 1908 como fator para a queda da monarquia.
  6. Descrever os principais episódios do 5 de Outubro de 1910, salientando o apoio popular à insurreição militar republicana.
  7. Localizar no tempo o período da 1.ª República.

 

  • Conhecer e compreender o funcionamento do regime da 1.ª República e os seus símbolos
  1. Diferenciar Monarquia e República quanto ao chefe de Estado, à legitimidade do seu mandato e à duração do mesmo.
  2. Conhecer os símbolos da República Portuguesa.
  3. Caracterizar o regime republicano a partir da Constituição de 1911, salientando semelhanças e diferenças relativamente à Constituição da Monarquia Constitucional.
  4. Indicar o parlamento como o órgão político mais importante na 1.ª República.
  5. Reconhecer a manutenção de limitações no sufrágio durante a 1.ª República, por comparação à situação atual.

 

  • Conhecer as principais realizações da 1.ª República
  1. Indicar as principais medidas de caráter social tomadas durante a 1.ª República.
  2. Referir medidas tomadas pela 1.ª República no sentido de diminuir a influência da Igreja junto da população.
  3. Salientar o alcance das medidas sociais e educativas tomadas durante a 1.ª República.

 

  • Conhecer e compreender os motivos do fim da 1.ª República e a instauração da ditadura militar em 1926
  1. Referir a instabilidade governativa e a crise económica e social como fatores decisivos para o fim da 1.ª República.
  2. Indicar os motivos da entrada de Portugal na 1.ª Guerra Mundial.
  3. Indicar os efeitos da participação de Portugal na 1.ª Guerra Mundial e sua relação com o golpe militar do “28 de Maio” de 1926.
  4. Justificar a grande adesão dos militares e da população de Lisboa ao movimento antidemocrático chefiado pelo General Gomes da Costa.
  5. Localizar no tempo o período da Ditadura Militar.
  6. Reconhecer nas medidas da Ditadura Militar o fim da liberdade política e o cercear de liberdades individuais.

 


 

|   Voltar à lista dos conteúdos do 6º ano – HGP   |

 

You may also like...