Poema | Fundo do Mar

 

POEMA

 

FUNDO DO MAR


“No fundo do mar há brancos pavores,
Onde as plantas são animais
E os animais são flores.

Mundo silencioso que não atinge
A agitação das ondas.
Abrem-se rindo conchas redondas,
Baloiça o cavalo-marinho.
Um polvo avança
No desalinho
Dos seus mil braços,
Uma flor dança,
Sem ruído vibram os espaços.

Sobre a areia o tempo poisa
Leve como um lenço.

Mas por mais bela que seja cada coisa
Tem um monstro em si suspenso.”

 

Fundo do Mar in POESIA


Vídeos Youtube

Para ouvir o poema!

Para ler o poema!


Apresentação Slideshare

Para ler!

 


Comprar o livro na livraria virtual WOOK

Para reler e guardar!

POESIA

de Sophia de Mello Breyner Andresen.

edição: Assírio & Alvim, novembro de 2019 ‧ isbn: 978-972-37-1701-3

 

SINOPSE

«Assim surgia uma língua, nova e límpida. Era o ano de 1944, Sophia publicava o primeiro livro, com o mais justo dos títulos: Poesia. Todos os livros seguintes poderiam receber o mesmo baptismo, o mesmo nome preciso: essa condição de poesia, que é feitura do poema, trabalho oficinal, mas também resgate entre ruínas e morte, renascimento da exaltação. Ou seja: agon, combate pela forma, combate contra as ruínas do mundo, surpresa final das mãos nunca vazias. Pois esta poesia nasce num lugar esgotado, deserto; e é apesar das ruínas que de tudo se ergue o poema. Forte, elemental, sim; mas jorrando do terror, de ruínas que não falam, de uma língua herdada já exangue.» (Pedro Eiras)

As edições de Sophia de Mello Breyner Andresen na Assírio & Alvim preservam a antiga grafia.

 

 


Também te pode interessar…

Ajuda o nosso site colocando gosto na nossa página de Facebook!