Onde ir: Ruínas e Museu Arqueológico do Carmo

RUÍNAS E MUSEU ARQUEOLÓGICO DO CARMO

 

A construção da igreja do Carmo remonta ao ano de 1389, impulsionada pelo desejo e devoção religiosa do seu fundador, o Condestável do Reino, D. Nuno Álvares Pereira. Construída sobre a colina fronteira ao castelo de S. Jorge, pela sua grandeza e monumentalidade, rivalizava com a Sé de Lisboa e com o Convento de S. Francisco da mesma cidade. Desde cedo este espaço religioso foi considerado emblemático da urbe lisboeta e da própria identidade nacional, pelo facto de lhe estar associado o nome de um dos mais famosos heróis portugueses da Idade Média. Ao ter escolhido a igreja do Carmo para sua sepultura, Nuno Álvares Pereira marcou, de forma decisiva, toda a história do monumento gótico.

A igreja e o convento receberam vários acrescentos e alterações ao longo dos tempos, adaptando-se a novos gostos e estilos arquitectónicos e decorativos, transformando-se numa das construções mais ricas e poderosas de Lisboa. Em 1755, o terramoto, que abalou com violência a cidade, provocou graves danos no edifício, agravados pelo subsequente incêndio que destruiu quase totalmente o seu recheio. No ano de 1756 iniciou-se a sua reconstrução, já em estilo neogótico, interrompida definitivamente em 1834, devido à extinção das Ordens Religiosas em Portugal. Desse período de reconstrução datam os pilares e os arcos das naves, que são um verdadeiro testemunho de arquitectura neogótica experimental, de cariz cenográfico. Em meados do século XIX, imperando o gosto romântico pelas ruínas e pelos antigos monumentos medievais, optou-se por não continuar a reconstrução do edifício, deixando o corpo das naves da igreja a céu aberto. É assim criado um mágico cenário de ruína, que tanto agradava aos estetas oitocentistas e que ainda hoje encanta os nossos contemporâneos. As ruínas do Carmo transformaram-se, assim, num memorial do terramoto de 1755.

O Museu Arqueológico do Carmo, aqui instalado, foi fundado em 1864 pelo primeiro presidente da Associação dos Arqueólogos Portugueses, Joaquim Possidónio Narciso da Silva (1806-1896). Foi o primeiro museu de Arte e Arqueologia do país, e nasceu dos objectivos de salvaguarda do património nacional que se ia delapidando e deteriorando, em consequência da extinção das Ordens Religiosas e dos inúmeros estragos infligidos durante as Invasões Francesas e as Guerras Liberais.

Nos primeiros anos de existência, reuniu um espólio constituído por inúmeros fragmentos de arquitectura e escultura, bem como monumentos funerários de grande relevo escultórico, painéis de azulejo, pedras de armas, e outros tantos objectos de interesse histórico-artístico e arqueológico. Nos finais do século XIX e no terceiro quartel do século XX, deram entrada no Museu importantes colecções de arte e arqueologia de diferentes proveniências, entre as quais se destacam a colecção de epigrafia romana, a colecção de cerâmicas e múmias précolombianas e o acervo originário da escavação do Castro de Vila Nova de S. Pedro, na Azambuja (Calcolítico c.3500 a.C), contando actualmente com cerca de mil artefactos em exposição permanente.

Ao longo de mais de um século de existência e de serviços prestados à comunidade científica e ao grande público, o Museu Arqueólogo do Carmo, permanece envolto na sua “aura romântica”, oferecendo um espaço de fruição estética, de cultura e contemplação, em plena baixa lisboeta.

 


HORÁRIO

Segunda-Feira a sábado:
Outubro a abril: das 10h00 às 18h00
Maio a setembro: das 10h00 às 19h00

Encerrado:
Domingos, 1 de janeiro, 1 de maio e 25 de dezembro.

 


TARIFÁRIO

Bilhete Adulto – 5,00€
Bilhete Estudante* – 4,00€
Bilhete Sénior* – 4,00€ (Idade igual ou superior a 65 anos)
Bilhete Lisbon Card* – 4,00€
Bilhete infanto-juvenil* – Gratuito (Idade inferior ou igual a 14 anos**)
Bilhete de Grupos – 4,00€ (Para grupos superiores a 30 pessoas)
Bilhete Pessoas de Mobilidade Reduzida – 4,00€
Membros do ICOM – Gratuito

* Mediante comprovação documental
** Deve ser acompanhado por um adulto

 


LOCALIZAÇÃO

 


REGRAS DE SEGURANÇA | COVID 19

No atual contexto de pandemia, o Museu Arqueológico do Carmo, implementou um conjunto de regras de maneira a garantir a segurança dos seus visitantes e funcionários. Assim, encontram-se em vigor as seguintes regras:

  • É obrigatório o uso de máscara.
  • É obrigatória a higienização das mãos à entrada do museu.
  • É proíbida a permanência de mais do que 5 pessoas em simultâneo em cada sala do museu.
  • Os visitantes deverão respeitar a distância de segurança de 2 metros.
  • Os visitantes deverão evitar tocar em superfícies e evitar o contacto físico.
  • Os visitantes deverão evitar formar grupos.
  • Durante a vigência do atual plano de contingência encontra-se suspenso o serviço de áudio-guias.


 


LISBON UNDER STARS

Está a decorrer este espetáculo interativo que sugerimos na passada semana e recomendamos novamente.

Ver mais informações e comprar bilhete – clicar aqui!

 


MAIS SUGESTÕES ONDE IR EM FAMÍLIA

 

Onde ir: Museu Nacional da Música

De segunda-feira a sábado das 11:00h às 17:00h.
Encerra Domingos, Feriados de Ano Novo, 1.º de Maio, Dia de Natal e Dia de Santo António (feriado municipal de Lisboa).

0 comments

Onde ir: Casa Fernando Pessoa

Das 11h às 17h (última entrada: 16h00).
O museu encerra às segundas, 1 de Janeiro, 1 de Maio e 25 de Dezembro.
A biblioteca encerra às segundas, aos domingos e feríados.

0 comments

Onde ir: Pavilhão da Água

Durante o corrente ciclo de desconfinamento, o Pavilhão da Água irá operar com o seguinte horário provisório.
Qui, Sex, Sáb, Dom: 10h00 – 17h45
* A bilheteira encerra sempre 45 minutos antes do fecho do Pavilhão.
Devido à duração limitada das visitas, estas ocorrerão a horas certas: 10h, 11h, 12h, 13h, 14h, 15h, 16h, 17h.

0 comments

ARTIGOS     DESAFIOS     EFEMÉRIDES     LIVROS     ONDE IR EM FAMÍLIA     VÍDEOS


 

Também te pode interessar…

Ajuda o nosso site colocando gosto na nossa página de Facebook!