História e Geografia de Portugal 5º ano | Portugal nos séculos XIII e XIV

 

PORTUGAL NOS SÉCULOS XIII E XIV

 

 

 

A VIDA QUOTIDIANA NO SÉCULO XIII

 

 

Ordens sociais

A população portuguesa no séc. XIII era constituída por três grupos sociais:

  • nobreza: grupo privilegiado que possuía terras, não pagava impostos, recebia impostos e aplicava a justiça nas suas terras. A sua principal actividade era combater;
  • clero: grupo privilegiado que possuía terras, não pagava impostos, recebia impostos e aplicava a justiça nas suas terras. A sua principal actividade era prestar serviço religioso;
  • povo: grupo não priveligiado que trabalhava nas terras do rei, da nobreza e do clero e que ainda tinham que pagar impostos.

 

Todos os grupos sociais deviam ao rei fidelidade, obediência e auxílio.

 

 

Vida quotidiana nas terras senhoriais

As terras senhoriais, ou senhorios, pertenciam aos senhores nobres que viviam numa casa acastelada situada na parte mais alta. À sua volta distribuíam-se campos cultivados, a floresta, o moinho e as casas dos camponeses que trabalhavam as terras.

Nestas terras era o nobre que aplicava a justiça, recrutava homens para o seu exército e recebia impostos de todos os que lá trabalhavam. Em troca, tinha como obrigação proteger as pessoas que estavam na sua dependência.

 

Atividades dos nobres:

  • em tempo de guerra: combatiam;
  • em tempo de paz: praticavam a caça, a equitação e exercícios desportivos que os preparavam para a guerra.

 

Distrações dos nobres:

  • À noite entretinham-se com jogos de sala, como o xadrez e dados, com os saltimbancos, que faziam proezas, e com os jograis, que tocavam e cantavam.

 

Casa senhorial:

  • o salão era o aposento mais importante e era onde o nobre dava as suas ordens, recebia os hóspedes e onde serviam-se as refeições;
  • o mobiliário existente na casa era uma mesa, arcas para guardar a roupa e outros objetos domésticos, poucas cadeiras e bancos chamados escanos;
  • para a iluminação durante a noite utilizavam-se lamparinas de azeite ou tochas e velas de cera e sebo.

 

Alimentação dos nobres:

  • faziam-se normalmente duas refeições, o jantar e a ceia, onde predominava a carne, pão de trigo, vinho, queijo e um pouco de fruta.

 

Por outro lado, os camponeses tinham uma vida dura e difícil. Trabalhavam seis dias por semana nos campos dos senhores nobres e ainda tinham que lhes pagar impostos pois só assim garantiam proteção.

 

Atividades dos camponeses:

  • trabalhar nos campos.

 

Distrações dos camponeses:
  • ida à missa, procissões e romarias.

 

Casa do camponês:

  • tecto de colmo, paredes de madeira ou pedra, quase sem aberturas, e chão em terra batida;
  • tinha só uma divisão e havia pouca mobília;
  • dormia-se num recanto coberto de molhos de palha.

 

Alimentação dos camponeses:

  • baseava-se em pão negro, feito de mistura de cereais ou castanha, acompanhado por cebolas, alhos ou toucinho. Apenas nos dias festivos havia queijo, ovos e bocados de carne.

 

 

Vida quotidiana nos mosteiros

O clero, cuja principal função era o serviço religioso, dividia-se em dois:

  • clero secular: padres, bispos e cónegos que viviam junto da população nas aldeias ou cidades;
  • clero regular: frades (ou monges) e freiras que viviam nos mosteiros ou conventos.

 

A vida no mosteiro era dirigida pelo abade ou abadessa. Os monges dedicavam a sua vida a Deus e ao serviço religioso, meditavam, rezavam e cantavam cânticos religiosos.

Para além do serviço religioso, os monges também se dedicavam ao ensino. Durante muito tempo, o clero foi a única ordem social a saber ler e escrever. Fundaram-se algumas escolas junto aos mosteiros, os monges eram os professores e os alunos eram os futuros monges. Existiam ainda os monges copistas que dedicavam-se a copiar os livros mais importantes e ilustravam o texto com pinturas chamadas iluminuras.

Todos os mosteiros tinham enfermarias onde os doentes eram recolhidos e tratados pelos monges. Era também dada assistência aos peregrinos que se dirigiam aos santuários para cumprir promessas ou para rezar.

O clero praticava também a agricultura. Produzia tudo o que precisava.

 

Alimentação dos clérigos:

  • a refeição principal era tomada em comum e em silêncio, no refeitório: sopa, pão, um pouco de carne ou peixe nos dias de abstinência.

 

 

Vida quotidiana nos concelhos

Um concelho era uma povoação que tinha recebido foral ou carta de foral. A carta de foral era um documento onde estavam descritos os direitos e os deveres dos moradores do concelho para com o senhor (dono) da terra.

 

Os moradores de um concelho tinham mais regalias que os que não lá viviam:

  • eram donos de algumas terras;
  • só pagavam os impostos exigidos no foral.

 

Existia ainda uma assembleia de homens-bons, formada pelos homens mais ricos e respeitados do concelho, que resolvia os principais problemas do concelho. Elegiam juízes entre si para aplicar a justiça e os mordomos que cobravam os impostos.

Os concelhos eram formados por uma povoação mais desenvolvida (a vila) e por localidades rurais à sua volta (o termo).

Muitos dos concelhos foram criados pelo rei mas houve alguns também criados por grandes senhores da nobreza e pelo clero nos seus senhorios e surgiram da necessidade de garantir o povoamento e a defesa das terras conquistadas aos mouros e para desenvolver as atividades económicas.

 

Principais atividades:

  • agricultura, pastorícia, pesca: camponeses e pescadores;
  • artesanato: havia pequenas oficinas onde os artesãos executavam trabalhos à mão (manufactura), utilizando técnicas e instrumentos muito rudimentares;
  • comércio: os camponeses e os artesãos reuniam-se para vender os seus produtos dando origem aos mercados e mais tarde às feiras (maiores que os mercados e com maior abundância e variedade de produtos).

 

A criação de feiras contribuiu para o desenvolvimento do comércio interno, isto é, troca e venda de produtos dentro do país. No entanto, nesta altura Portugal também comerciava com outros países – comércio externo.

O comércio externo contribuiu para o desenvolvimento das cidades situadas no litoral e contribuiu também para o surgimento de um novo grupo social:  a burguesia. Os burgueses eram homens do povo, mercadores e artesãos, que enriqueceram com o comércio externo.

 

 

Vida quotidiana na corte

A corte era constituída pela família do rei, pelos conselheiros e funcionários. A corte seguia sempre o rei.

 

Distrações:

  • Banquetes e saraus (festas à noite) onde havia espetáculos de jograis (os jograis cantavam e tocavam instrumentos musicais).

 

 

 

CRISE DE 1383-1385

 

 

Portugal na segunda metade do séc. XIV

Neste período viveram-se tempos difíceis:

  • Fome: deveu-se aos maus anos agrícolas por causa das chuvas intensas;
  • Epidemias – deveu-se à falta de higiene e à falta de alimentação;
  • Guerras – devido ao conflito com Castela.

 

A pior calamidade foi a Peste Negra que em menos de três meses matou cerca de um terço da população.

 

 

Problema de sucessão

Em 1383, D. Fernando assina um tratado de paz com Castela para salvaguardar a independência do reino de Portugal – o Tratado de Salvaterra de Magos.

Neste tratado D. Fernando deu a mão da sua única filha, D. Beatriz, a D. João I, rei de Castela, e ficou estabelecido que o futuro rei de Portugal seria o seu neto, filho de D. Beatriz, quando atingisse os 14 anos.

 

 

População dividida e revolta popular

Quando D. Fernando morre, D. Leonor de Teles, sua esposa, assume a regência do reino e aclama D. Beatriz como rainha de Portugal.O povo ficou descontente porque não queria ser governado por um rei estrangeiro e temia que Portugal perdesse a independência.

  • Apoiantes de D. Beatriz – alto Clero e alta Nobreza porque temiam perder os seus privilégios;
  • Apoiantes de D. João, Mestre de Avis – povo, burguesia, parte do Clero e parte da Nobreza porque não queriam ser governados por um rei estrangeiro e temiam que Portugal perdesse a independência.

 

Álvaro Pais planeou uma conspiração para matar o conselheiro galego de D. Leonor de Teles, o conde Andeiro. D. João, Mestre de Avis, filho ilegítimo de D. Pedro, é escolhido para o matar. Após a morte do conde Andeiro, D. Leonor de Teles foge para Santarém e pede ajuda a D. João I, rei de Castela. Mestre de Avis passa a Regente e Defensor do reino com o apoio do povo.

 

 

Resistência à invasão castelhana
D. João I, rei de Castela, invade Portugal:
  • ocupa Santarém;
  • é vencido na batalha de Atoleiros;
  • cerca Lisboa em 1384.

 

Lisboa esteve cercada 3 meses e só se libertou quando a peste negra atacou os soldados castelhanos.

Nas Cortes em Coimbra (1385) João das Regras provou que D. João, Mestre de Avis, era quem tinha mais direito a ser o rei de Portugal que passa a intitular-se D. João I.

Ao saber da  aclamação de Mestre de Avis como rei de Portugal, D. João I, rei de Castela, invade novamente Portugal mas é derrotado na batalha de Aljubarrota  (1385) pelos portugueses chefiados por D. Nuno Álvares Pereira.

 

 

Consolidação da independência

D. João I, Mestre de Avis, recompensou com terrascargos e títulos os nobres e burgueses que o apoiaram e retirou privilégios à alta Nobreza que apoiou D. Beatriz e que fugiu para Castela.

Portugal fez ainda um tratado de amizade com Inglaterra onde os dois países se comprometeram a ajudar-se mutuamente. esta aliança foi reforçada com o casamento de D. João I com D. Filipa de Lencastre em 1387.

Entretanto, só em 1411 o problema com Castela ficou resolvido com um tratado de paz.

 

Muito do que sabemos sobre o que aconteceu neste período deve-se a Fernão Lopes através das suas crónicas sobre o que se passava no reino da época.

 


 

Revê aqui a matéria/resumo de matemática/síntese de HGP:

 


 

EXERCÍCIOS

Teste 1  |   enunciado » correção

Nota: apenas o Grupo II se refere a este capítulo.

Teste 2  |   enunciado » correção

 


 

O que tens de saber neste capítulo, segundo o programa e metas curriculares de HGP – 5º ano:

 

DOMÍNIO: A PENÍNSULA IBÉRICA: PORTUGAL DO SÉCULO XIII AO SÉCULO XVII

SUBDOMÍNIO: PORTUGAL NOS SÉCULOS XIII E XIV

 

  • Compreender as relações entre as principais atividades económicas dos séculos XIII e XIV
    e os recursos naturais disponíveis
  1. Salientar a vulnerabilidade das populações medievais face às condições naturais e às técnicas rudimentares disponíveis.
  2. Caracterizar as principais atividades económicas medievais, destacando a agricultura como atividade económica principal, bem como o desenvolvimento do comércio interno e externo.
  3. Caracterizar as principais rotas de comércio externo no século XIII, salientando o papel dos portos portugueses nesse comércio.
  4. Relacionar o desenvolvimento do comércio nos séculos XII e XIII com o crescimento das cidades e da população urbana no mesmo período.

 

  • Conhecer e compreender aspectos da sociedade e da cultura medieval portuguesa dos séculos XIII e XIV
  1. Identificar os grupos sociais medievais, destacando os privilegiados e os não privilegiados.
  2. Referir as funções de cada ordem social.
  3. Indicar os privilégios do clero e da nobreza e as obrigações dos camponeses, especialmente nos domínios senhoriais.
  4. Referir a dificuldade em ascender socialmente na Idade Média.
  5. Caracterizar domínios senhoriais nobiliárquicos e eclesiásticos, tomando como exemplo o domínio de um mosteiro ou de um domínio laico.
  6. Reconhecer a relativa autonomia concedida aos moradores nos concelhos, através de cartas de foral.
  7. Apontar a existência de cortes, enquanto locais de participação dos grupos sociais na tomada de decisões importantes para Reino.
  8. Relacionar o crescimento económico dos séculos XII e XIII com o fortalecimento da burguesia nas cidades.
  9. Identificar algumas características da arte românica e da arte gótica, em edifícios localizados em território nacional.
  10. Referir aspectos da cultura popular e cortesã deste período.

 

  • Compreender o século XIV europeu
  1. Referir o século XIV europeu como uma época de fomes, pestes e guerras.
  2. Relacionar a fome, a peste e a guerra com o agravamento das condições de vida do povo e com as revoltas populares do século XIV.
  3. Referir as épocas de crise como momentos susceptíveis de provocar o aumento da intolerância (exemplificar com as perseguições que atingiram as comunidades judaicas europeias aquando do surto da peste negra).

 

  • Conhecer as causas e consequências do problema sucessório português de 1383-1385
  1. Referir a existência em Portugal da trilogia da fome, peste e guerra.
  2. Descrever sucintamente o problema de sucessão ao trono após a morte de D. Fernando.
  3. Reconhecer a divisão dos portugueses relativamente aos candidatos ao trono.
  4. Descrever sucintamente os acontecimentos da crise de 1383-1385 desde a primeira invasão castelhana até à aclamação de D. João I nas cortes de Coimbra.

 

  • Conhecer e compreender a consolidação da independência Portuguesa
  1. Descrever sucintamente episódios da batalha de Aljubarrota e os seus principais protagonistas.
  2. Sublinhar a importância da Batalha de Aljubarrota na afirmação da independência nacional.
  3. Relacionar a revolução de 1383-1385 com as alterações na estrutura social portuguesa.

 


 

|   Voltar à lista dos conteúdos do 5º ano – HGP   |

 

You may also like...