Conto | Histórias com Juízo

 

 

CONTO

 

HISTÓRIAS COM JUÍZO


 

“TIC,TAC” de Mário Castrim

 

Diz o tempo ao relógio:

― Ó relógio não me cortes, não me cortes com a tua serra tão afiada. Tem pena de mim.
― Perdoa mas tem de ser. Tem de ser assim.
― Mas porque é que tem de ser assim? Assim em segundos? Porque é que me cortas tão fininho?
― Isso é que eu não sei. Se calhar é p’ra fazer caldo verde.

 


Vídeo Youtube

Para ouvir a leitura!

(estamos à procura!)


Apresentação SlideShare

Para ler!

(estamos à procura!)


Comprar o livro na livraria virtual WOOK

Para reler e guardar!

 

HISTÓRIAS COM JUÍZO

de Mário Castrim.
edição: Editorial Caminho, abril de 1993 ‧ isbn: 9789722107969

 

SINOPSE

«As personagens deste livro declaram para todos os efeitos que Mário Castrim ao escrever Histórias com Juízo estava em mais que perfeito juízo. Claro que, de vez em quando, enfim… Aquela cadeira que toma o xarope… Aquela mesa sem pernas… Aquela panela que joga à bola… Pronto. Cada um de nós tem direito a ser como é. Mais agradecemos ao autor deste livro a oportunidade que nos deu de provarmos que também temos alma, inteligência, voz. Trata-se de uma reivindicação pela qual o nosso sindicato luta há milhares de anos e que, até hoje, só foi reconhecida pelas crianças e pelos poetas. Todos os objectos estão vivos. Têm personalidade. São gente. Com muito ou com pouco juízo? Todas as histórias têm juízo. Todas. Principalmente aquelas que parecem não ter juízo nenhum.»

 

 

Para comprar clicar aqui.


Também te pode interessar…

Ajuda o nosso site colocando gosto na nossa página de Facebook!